Por que Julian Assange escolheu o Equador


Aproximação entre ativista e presidente equatoriano se deu depois da liberação de documentos que comprometeram os Estados Unidos

 

equador

A aproximação entre o ativista Julian Assange, do Wikileaks, com o governo do Equador e seu presidente Rafael Correa pegou muitas pessoas de surpresa, que não conseguiram explicar por que o hacktivista foi parar na embaixada justamente do pequeno país latino-americano. No entanto, alguns fatos dos últimos anos permitem entender porque Assange escolheu o Equador para protegê-lo e porque seu asilo político foi aceito, em uma atitude desafio à nação mais poderosa do mundo.

O australiano está preso dentro do prédio do corpo diplomático, em Londres, desde o último dia 19 de junho, quando fugiu da sua prisão domiciliar – na qual era vigiado com a ajuda de um dispositivo amarrado ao seu tornezelo – para evitar uma ordem de extradição para a Suécia, onde responderia pelos crimes de agressão e estupro (ou sexo consensual sem camisinha).

Na última sexta-feira, 17/8, o ministro de Relações Exteriores, Ricardo Patiño, anunciou que o país sul-americano havia percebido com grande clareza, avaliando em detalhes os processos contra  Assange, de que eles se tratariam de uma fabricação dos seus poderosos inimigos para calar sua voz.

A relação entre Assange e o governo equatoriano começou ainda no final de 2010, durante a crise internacional conhecida como Cablegate, quando o Wikileaks divulgou mais de 250 mil documentos diplomáticos confidenciais de embaixadas norte-americanas em todo o mundo, vazados pelo soldado norte-americano Bradley Manning e considerados um atentado à segurança nacional dos EUA.

Comentaristas políticos da televisão norte-americana e políticos conservadores sugeriram até que o governo de Barack Obama deveria usar métodos ilegais para acabar com a vida de Assange. Na mesma época, Manning foi trancafiado na prisão de segurança máxima da Baía de Guantánamo, em Cuba, a mesma que serviu de palco para terríveis torturas contra terroristas da Al Qaeda.

Em novembro de 2010, o ex-vice-ministro das Relações Exteriores equatoriano Kintto Lucas ofereceu a Assange residência no país, para que pudesse “divulgar livremente as informações que possui”, mas a oferta foi logo retificada por Correa e atribuída como iniciativa do próprio Lucas.

Porém, em abril de 2011 o país sul-americano se tornou o único a efetivamente expulsar o embaixador dos Estados Unidos depois do escândalo gerado com o vazamento do Wikileaks. A reação se deu depois que a organização pró-transparência governamental revelou um relato do então embaixador Heather Hodges comentando o antiamericanismo do presidente Rafael Correa – que pertence a uma ala de esquerda e apoia líderes como Hugo Chávez (Venezuela) e Evo Morales (Bolívia) – e fazia fortes acusações de corrupção no seu governo.

Correa interpretou nas falas um ranço da ex-metrópole que não se conforma com a independência da colônia e agiu energicamente contra o representante do corpo diplomático, tendo sido criticado por grande parte da imprensa mundial. O político, que considera fazer um governo progressista e voltado aos pobres, comentou à imprensa na época que forças conservadoras internacionais buscavam fragilizar o seu grupo político.

Na mesma época, o então presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva fez declarações favoráveis ao ativista. “O rapaz estava colocando apenas aquilo que ele leu, e se ele leu foi porque alguém escreveu, e o culpado não foi quem divulgou, o culpado é quem escreveu. Portanto ao invés de culpar quem divulgou, culpe quem escreveu a bobagem, porque se não, não teria o escândalo que tem”, opinou o petista, em um discurso público. “Ele foi preso e eu não estou vendo nenhum protesto contra [o cerceamento à] a liberdade de expressão. É engraçado, não tem nada”.

Por conta disso, Assange tentou se aproximar do Brasil, deu diversas declarações de que gostaria de morar aqui e até posou para a capa da Revista Trip com a camisa da seleção canarinho. No entanto, o apoio brasileiro foi ficando cada vez mais silencioso e menções ao caso desapareceram no governo de Dilma Rousseff.

Enquanto isso, Correa e Assange se tornaram mais próximos depois de uma entrevista que o primeiro deu ao segundo para o programa The World Tomorrow, que passa na televisão russa. Na gravação, o equatoriano deseja sorte à Julian e mostra simpatizar com o Wikileaks, fato que começou a gerar os primeiros comentários de um possível apoio ao ativista, posteriormente confirmados.

Olhar Digital acompanha de perto a situação do fundador do Wikileaks, confira aqui reportagem sobre o clima em torno da Embaixada do Equador em Londres.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s