Análise: Nexus 4 é a pedra bem lapidada do Google


Colocamos as mãos no smartphone feito em parceria com a LG, previsto para chegar ao Brasil na próxima quarta-feira

 

Nexus 4

Felipe Maia

O novo smartphone do Google pode ser comparado a um diamante. Não que seja tão valioso quanto a pedra preciosa, mas ele carrega em si o Android4.2 em sua forma mais pura. Essa combinação faz crescer os olhos dos admiradores do sistema operacional sobre o Nexus 4, previsto para chegar ao Brasil na próxima quarta-feira, 27. E nossa análise mostra que eles têm razão.

Mas calma, lá. A comparação não significa que o novo aparelho do Google em parceria com a LG seja perfeito. Muito menos que o sistema operacional esteja isento de erros. Tampouco significa que ele agradará a todos: há quem não goste de diamantes. Os pesares existem e, apesar deles, o Nexus 4 é um excelente modelo.

O chamariz mais reluzente é mesmo a integração entre software e hardware. O Android Jelly Bean voa em céu de brigadeiro pelo smartphone. Ele não engasga entre transições de imagens. A resposta da tela é quase instantânea ao toque. A interface do sistema reduz o número de gestos para realizar funções. Mesmo os botões dedicados adequam-se ao uso, mudando sua orientação ou desaparecendo se necessário.

Aos moldes do Windows Phone 8, a tela de bloqueio agora é editável, com um terço dedicado à câmera e outro terço disponível a qualquer aplicativo escolhido pelo usuário. Na barra superior de status há também um novo recurso. Chamada de Quick Settings, em inglês, a janela exibe uma série de opções básicas de configuração do aparelho, como uma evolução da PowerBar que ativa conexões sem-fio, por exemplo. Isso facilita bastante pequenas alterações no smartphone.
Reprodução
A costura com os serviços do Google também está mais amarrada. A agenda de pessoas é integrada ao Google Talk e exibe o status de cada contato com a opção de abrir o mensageiro da empresa. Outro diferencial é a navegação nativa pelo Google Chrome. O browser se comporta como no computador com melhorias voltadas para a tela pequena. Há, por exemplo, um botão para visualização de todas as abas abertas.

O teclado no novo sistema operacional também foi incrementado. Os botões estão mais nítidos e com menos caracteres. Existe uma função similar ao Swype, da Motorola, que permite escrever palavras sem tirar o dedo da tela. Na autocorreção, contudo, o sistema cometeu algumas falhas. Julien transformou-se em Julienne e ao apagar uma letra a palavra toda era deletada.

O problema fica pequeno ante a tela de 4,7 polegadas. Ela tem resolução de 1280 x 768 pixels com 16 milhões de cores e tecnologia IPS Plus. Filmes em alta definição do Youtube têm um ótimo palco no smartphone, mesmo se ele estiver um pouco de lado. O display é revestido por Gorilla Glass, o que, talvez, aumente seu índice de reflexo.

O acabamento coloca o Nexus 4 à frente do Galaxy S4. Na lateral, uma borracha rígida reveste o smartphone, ajudando na sua pegada. Ela também oferece resistência às portas de conexão. Na parte de trás, mais vidro protetor. A tradução literal diz algo sobre a proteção que o Nexus recebeu contra riscos, arranhões e quedas — e grandes primatas da selva tropical. Ela também cobre a lente da câmera com seu sensor de 8 MP.

A captura de fotos do aparelho segue a linha evolutiva do Google no Android. Ela é melhor que em versões anteriores, mas não espanta rivais como o iPhone 5 ou Lumia 920. O aplicativo suporta vários tipos de iluminação e fotografias em HDR, modo que retém mais detalhes de luz e sombra das cenas fotografadas. Ainda assim, num comparativo é possível perceber fidelidade ligeiramente maior da câmera da Apple nas cores fundamentais, muito embora a nitidez de ambas sejam equiparáveis.

Nexus 4

Outro recurso interessante para fotos é o modo panorama, disponível no sistema desde a versão 3.0, e o Photo Sphere, que seria um modo panorama em três eixos. Na teoria é possível fazer uma imagem de tudo que há ao redor da câmera, mas os resultados costumam sofrer com a colagem artificial dos quadros. Embora não seja tão fácil, é possível fazer imagens dignas de Google Street View com o aparelho.

A câmera também inova em relação a seus predecessores ao permitir foco além do que está no centro da tela. Ela captura as imagens logo após o clique, trunfo do processador do aparelho. A CPU é a Qualcomm Snapdragon S4 Pro com quatro núcleos rodando na frequência de 1,5 GHz. Ela está pareada com memória RAM de 2 GB e memória de armazenamento de 8 GB ou 16 GB. Segundo o Google, essas especificações fazem do Nexus 4 o aparelho mais rápido do mundo.

Num teste que mede o índice de quadros por segundo, o Nexus 4 faz valer a declaração dos seus criadores. A placa de vídeo, a GPU Adreno 320, também contribui no serviço. Não à toa o conjunto tem um consumo elevado da bateria. Fazer um uso ativo, ainda que normal, do aparelho pode drenar sua energia em menos de um dia. Para piorar, o ponto negativo já era encontrado em outros modelos do Nexus.

Mais um velho possível incômodo é a ausência de entrada para cartão microSD. É preciso se contentar com a capacidade interna do Nexus 4. Se isso não era grande problema para o primeiro modelo da família ou para o Nexus S, certamente é uma pedra no sapato na versão mais recente. O motivo é culpa da própria evolução dos smartphones. Cada vez mais potentes, eles suportam aplicativos melhores e, consequentemente, mais pesados em seus megabytes.

Há quem reclame também da ausência de suporte a 4G no novo Nexus. A falta foi sentida especialmente por analistas norte-americanos, onde a rede LTE já opera. No Brasil o fato não desagrada, ao menos enquanto a nova geração de conexão móvel não chega. Para um futuro próximo quem sabe os proprietários do smartphone ficarão insatisfeitos, mas não é o caso por ora.

O Nexus 4 tem força para concorrer com aparelhos topo linha que já chegaram ou estarão disponíveis em pouco tempo no país, caso do Galaxy S4, Optimus G, Lumia 920 e iPhone 5. Embora pronto para a briga, o aparelho segue sua vocação para usuários avançados. Seus novos recursos aliados às especificações fazem dele uma jóia na mão de fãs do Android, mesmo com pequenas imperfeições.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s